segunda-feira, 26 de julho de 2010

Corset, you're a dreamer.


Mais do que cócó nos passeios, mais do que condutores que não param nas passadeiras, mais do que bróculos, mais do que canela, mais do que revistas cor de rosa... odeio futilidade. E em mulheres, muito mais.

Falo de pessoas que só dão valor às coisas caras. Às marcas. Ao estatuto. Ao "quanto custou?".
É estúpido, idiota, sem-cabeça e, sempre, sempre, sempre, motivo para lançar um dos meus olhares de "pobre criatura...".
Na verdade, não gosto que gastem dinheiro comigo. Não acho que valha a pena. Há outras maneiras de me arrancarem um sorriso, outras maneiras de me deixarem feliz. Não nego que uma prenda especial implique, por vezes, algum investimento monetário. Mas há formas bem mais engraçadas, sentidas e personalizadas de me fazerem sentir especial.
Sempre fui "miúda-do-it-yourself". Sempre fui pessoa de oferecer prendas personalizadas. Sempre fui pessoa de surpreender com prendas pessoais e carinhosas. Daquelas em que consigo arrancar uma gargalhada e uma lágrima. Não me posso dar ao luxo de dizer que sempre me fizeram o mesmo. Talvez seja por isso que ache que me importo mais do que a maioria. Talvez seja por isso que às vezes me sinta um bicho estranho, sozinho e num canto. Talvez seja por isso que quando encontro alguém como eu, que valorize as coisas pequenas, a ternura espontânea, no meio do mau feitio e da maluquice... talvez seja por isso que fico fascinada. Na verdade, contento-me com pouco. Desde que esse pouco seja especial, tenha significado e me toque o coração. Ou não fosse eu uma pequena formiga sozinha e narcisista, com um coração difícil mas do tamanho de elefante, num mundo de gigantes.

14 comentários:

Rachie disse...

Eu cá gosto de bróculos ;)

Kikas disse...

está dito. corset, tu é que tens razão, tu é que fazes bem. são essas as coisas realmente importantes. esses que só se preocupam com o valor monetário, têm mãos cheias de nada.. já tu e as pessoas que gostam de ti e te valorizam, têm o coração preenchido. isso vale tudo :)

Caia disse...

Gosto que me ofereçam coisas que sei que vou dar uso, não gosto de ter para fazer monte!
O dar porque tem de ser e lá vai qualquer coisa sem imaginação, sem piada... mais vale estarem quietos.

Dou valor às coisas "handmade", mas raramente me oferecem! Eu ofereço muito, sou eu que as faço...

Jane disse...

És das minhas, parece que és a única que se esmera para fazer coisas fixe e depois... É como se não fosses recompensada!

bolo de chocolate disse...

Concordo absolutamente contigo. Detesto que me perguntem o preço, se disser 5 euros la virao as facadinhas nas costas 'que horror, quem compra aquilo a 5 euros? so no chines!' se disser 50 'bolas, deve andar a nada em dinheiro, deve'. é que ha que sempre tecer um comentario e juro que acho isso uma autentica falta de cha. quanto a prendas, sou como tu. omeunamoradoofereceume uma fisheyee eu delirei. mas também,o ano passado, enquanto estava de ferias nonorte, mandou pela minha irma uma tshirt da farda dele q usara nesse dia e uma carta. E amei de paixao :)

Pedro disse...

Tudo é relativo. O pensamento está correcto. Nem sempre o mais caro ou o mais bonito, ou o mais comercial simboliza o que de melhor há na vida.
A vida é feita de pequenos detalhes, são os pequenos pormenores da vida que dão-lhe sabor, sentido, e criam as paixões. Pequenos gestos, é assim o gostar. Um tudo de pequenos nadas, e um nada demais que nos significa tudo.

A paixão quer-se sem regras, mas minimamente racional, e tal só se consegue com equilíbrio. Não é o preço que faz a prenda. Mas os significados não têm preço, por vezes são mais caros, outras vezes mais baratos. Poderia dar à rapariga de quem gosto uma Kodak descartavel para fotografar um dia em que tivéssemos juntos, ou poderia dar-lhe a melhor máquina que existe, o valor seria o mesmo, a vontade inerente em mim de registar aquele dia através dos seus olhos.

O valor das coisas está naquilo que as pessoas lhes dão. Como tudo na vida, existe um valor nominal e um valor real, um valor de mercado e um valor pessoal.

Eu não olho a preços, nem para baixo nem para cima, quando a única coisa que penso é fazer a outra pessoa feliz.

São maneiras de ser.

Ulisses disse...

Percebo-te tão bem...

:)

Patife disse...

Não há nada que rivalize com uma prenda personalizada. ;)

Roxanne disse...

but you are not the only one...

Poetic GIRL disse...

Corset, sou tal e qual. Eu na altura de oferecer algo gosto de dar algo que toque as pessoas, que lhes dê prazer. Talvez por isso os meus presentes são sempre diferentes, por vezes extravagantes mas a verdade é que de bibelots anda o mundo farta, e às vezes uma coisa simples pode fazer alguém tão mas tão feliz.. bjs

Lady Me disse...

Tens toda a razão.. Esses gestos é que fazem a diferença, infelizmente são poucos os que valorizam isso.

Ana disse...

Percebo a ideia mas não sou assim. Compro prendas caras e tenho gosto nisso. Não por serem caras, mas sei que é por serem caras que geralmente as pessoas vão gostar. Não pelo preço, mas porque muitas vezes a qualidade ou a beleza da coisa vem associada ao preço alto! Também preferia poder comprar umas calças de 20 euros ao meu namorado, mas se ele gosta só das de 100 para cima, mais vale dar-lhe umas que ele goste e vá usar. Claro está, quando tenho orçamento para isso!

Petra Pink disse...

hahah concordo com tudo o que dizes! menos com a dos brócolos, porque cozidos com bacalhao à primavera ficam bons!
mas amei o texto porque é mesmo isso!

Mystical Woman disse...

O gesto mais simples e singelo é para as pessoas simples como nós o que mais nos toca... para mim o importante é lembrarem-se de mim... até me pode ofecer um calhau que eu fico feliz... e escusam que de esperar prendas caras do meu lado... sou demaisado pratica e dou sempre coisas que sei que fazem falta