terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Considerações

Há coisas que simplesmente não me passam ao lado. Andava eu a ler "por aí", e eis que um certo "post", num certo "blog", me faz lembrar instantaneamente um assunto que me irrita profundamente: a leviandade com que exprimimos as nossas emoções e sentimentos (se é que realmente existem).

Há, mesmo, coisas que me tiram do sério. Não são poucas, é certo. Sou terrivelmente impaciente e teimo por tudo e por nada. Mas há assuntos que trarão, decerto, até ao mais pacifista, um certo sentimento de indignação.

Assuntos como: alguém, no seu perfeito juízo, dizer de ânimo leve que "ama". Irritam-me pessoas que namoram há 2 meses e dizem que amam o seu namorado/a e que é o amor das suas vidas. É ESTÚPIDO. Irritam-me ainda mais as pessoas que o fazem...com cada namorado! Seria de esperar que essas pessoas aprenderiam com o erro e que nunca mais afirmassem (com a facilidade com que se afirma gostar de chocolate, ou odiar brócolos) que ao fim de 4 semanas de namoro, o Rui/Pedro/Zé/whatever é o grande amor da sua vida. Pessoas assim... era fuzilá-las! (primeiro indício neste blog que demonstra que tenho tendências homicidas)
Já no campo das relações de "amizade": acho um absurdo, mas, acima de tudo, uma falta de respeito e consideração tremenda, que alguém prometa carinho e lealdade a alguém, quando sabe que não poderá manter a referida promessa, violando-a na primeira contrariedade. Irritam-me pessoas que me digam "podes contar comigo", e na primeira adversidade é vê-los fugir com o rabo entre as pernas. Depois, claro está, que quando passam por mim a vergonha pesa-lhes nos olhos (ou será na consciência?) e o chão é tudo o que vêem!
Como diria a minha avó: É fodido!


Irrita-me o "amo-te" fácil. Irrita-me o "amigas forever" quando isso não é verdade, e, se o for, é a muito custo e fruto de várias e difíceis superações de adversidade. Irrita-me a comercialização e a banalização dos sentimentos.

Acima de tudo... irrita-me o "para sempre". Mas isso já é outro assunto, e, portanto, outro post.

Quando for grande vou propor uma garantia constitucional dos sentimentos. Talvez assim sejam usados com maior cuidado. E, acima de tudo, respeitados. (A parvoíce que por aqui vai...)

4 comentários:

silk disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Corset disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
silk disse...

Essa irritação toda porque hoje é um dia difícil e qualquer coisa nos afecta!

Caros visitantes do blog, não se preocupem, ela também sabe ser mais calma! LOL

Quanto ao tema, a mim irrita-me ainda mais as tendências da nova geração que amam as/os amigas/os que conheceram no dia anterior. É portanto uma agravação dos dois pontos que referes no teu tema. E a culpa é dos Emos!!! É que no meu tempo isto não funcionava assim e quem tivesse estas atitudes era severamente recriminada pela gente dura a.k.a gunas!(risos)

A meu ver, perdeu-se a genuidade dos sentimentos!

Hoje é caso para dizer: odeio pessoas!!!

Corset disse...

Ou seja, os gunas têm uma parte importante na sociedade... xD