quinta-feira, 11 de março de 2010

Sim as pessoas olham-me como se eu fosse estranhinha por deitar pessoas ao lixo. Como quem deita fora cascas de banana.



Tirem-me tudo.
Tirem o que quiserem.
Não me tirem as conversas.
Há quem tenha a "sorte" de sair com "supostos" amigos.
Eu tenho a sorte de contar os meus amigos pelos dedos das mãos, mas ter conversas intermináveis, geniais, sérias, hilariantes, parvas mas absolutamente "únicas".
Tenho a sorte de falar apenas com quem gosto.
Tenho a sorte de não aturar pessoas indesejadas.(Deitei-as ao lixo)
Tenho a sorte das "minhas pessoas" serem as melhores. Porque o são.
Porque:
"Too many people take second best
But I won't take anything less"

E é assim que me contento apenas com a perfeição. Ao meu jeito. E é por isso que tenho, apenas, pessoas brilhantes ao meu lado. Todas à sua maneira, mas todas geniais.

9 comentários:

Puzz disse...

não digo que as deite ao lixo... mas a verdade é que há pessoas a quem não passo muita confiança, são os "conhecidos", normalmente amigos dos amigos... Poucos são aqueles a que chamo amigos (uma ou duas mãos cheias) dos outros tenho apenas uma certeza, nunca me vão desiludir porque em relação a eles não tenho quaisquer expectativas!

a Gaja disse...

E é assim que deve ser. Poucas mas boas. E só assim sabemos com quem podemos contar e quem estará do nosso lado.

S* disse...

Mais qualidade e menos quantidade.

silk disse...

Silk babadinha!

Bailarina disse...

Comigo aconrece exatamente a mesma coisa... Os meus amigos contam-se, pelos dedos das maos...
Bjinho*

Corset disse...

É bom que estejas Silk Lucineide!

Susaninha disse...

QUALIDADE....
E VIVA A QUALIDADE DA CORSET:)

saves disse...

Damn! Como concordo contigo. Também sou assim. Às vezes desejava que a certain special person também o fizesse. E a vida era tão mais fácil. Uoh..

Sarah disse...

Concordo exactamente com o que disseste, não vale a pena sermos hipocritas e "amiguinhos" de toda a gente só para ter a fama de menino/a perfeito e sociável. A vida é curta demais para perdermos tempo com quem não vale a pena.